Arquivo da categoria: gothic

Mês do Rock And Roll

Chegamos finalmente no mês de Julho. E no dia 13 de julho comemoramos o Dia Mundial do Rock e como nunca deixamos passar em branco, que tal fazermos uma pequena homenagem?

Durante este mês de festa, vamos trocar nossas fotos de perfil ou avatares de nossas redes sociais pelas fotos de nossos ídolos do Rock And Roll?

Esta é só uma das pequenas maneiras que temos em homenagear todos os nossos astros, ídolos, heróis. E não comemoramos, celebramos o vivemos o rock’n’roll apenas um dia do ano, mas todos os dias de nossas vidas, pois o rock’n’roll é eterno!

dia mundial do rock

 

E para quem não sabe a origem da data, acesse o texto Dia Mundial do Rock e saiba mais.

 

@patitagil

Anúncios

Uma palavra conhecida como ‘fã’

hatebreed

Fã, no dicionário encontramos o seguinte significado: Uma pessoa admiradora de outra pessoa ou algo.

Mas sabemos que é muito Maissssss do que isso. É uma relação, um sentimento imensurável, único para cada um.

Aquele friozinho na barriga que a gente sente quando escutamos um som novo, quando vamos no primeiro, segundo, terceiro show do nosso ídolo, aquela camiseta que compramos e que já tá surrado, desbotada, furada, aquele CD, DVD novo, ou até mesmo aquela relíquia que você já até perdeu as esperanças de encontrar, e quando você encontra inesperadamente para comprar e é tomado por aquele sentimento eufórico, adolescente, energizante.

Ser fã é ser um amigo, uma família, é você se sentir parte da família do seu ídolo, é sofrer e apoiar nas dificuldades, vibrar e pular nas alegrias, é defender com unhas e dentes quando vemos alguém falando mal e principalmente quando falam por falar, sem critérios. Ahhh, ser fã… é uma delícia, é você sempre escutar cada música com aquela magia, igualzinha da primeira vez que você escutou e por algum motivo te cativou.

E mais legal ainda, é quando do nada em uma conversa aleatória, você descobre que aquele seu amigo ou novo amigo curte a mesma banda que você, ops.. curte não.. é tão fã quanto você, e automaticamente sai aquela expressão: Você conhece essa banda????? Ah que demais! E aquele papo vira como se fosse uma conversa de entes queridos que não se encontram há muito tempo, é uma sensação inexplicável.

Ser fã é juntar moedinha por moedinha pra ir no show da sua banda, mesmo sabendo que o preço tá um absurdo, mas você faz o sacrifício, afinal não dispensamos  as oportunidade de ficarmos tão pertinho de nossos ídolo. É baixar o CD, mas fazer questão de comprar tudo original, pra guardar ali preciosamente como um tesouro.

Choramos, gritamos, vibramos, torcemos, entendemos, compreendemos, criticamos,  admiramos, amamos, veneramos, idolatramos… adjetivos nos faltam dizer.. mas ser fã é isso,  é uma palavrinha minúscula, mas com um sentimento gigante.

E adoraríamos saber qual é a banda que faz você ter este misto de sentimentos, conta pra gente 🙂
@patitagil


Nightwish e suas três mulheres

É meninas, quem tem acompanhado as notícias atuais envolvendo o Nightwish sabe o por que do título desse texto. Assim como inúmeras bandas, o Nightwish também tem sua sina: vocalistas.

A banda demorou cerca de 9 anos para ter a sua primeira troca de vocalista. A icônica Tarja Turunem teve sua demissão oficializada através de uma carta publicada no site da banda.

Começava então o período mais difícil do grupo e que perdura até hoje, obviamente não influenciando na qualidade musical dos finlandeses.

Em 2006 foi lançado o DVD “End Of An Era” que, com o perdão do trocadilho, finalizava uma era. A sua era mais gloriosa. O relacionamento entre o Nightwish e Tarja definitivamente chegava ao fim.

No mesmo ano, em setembro, depois de uma seleção, Anette Olzon assumia os vocais do grupo. Tarefa difícil, muito difícil.

Em meio a desconfiança de fãs e imprensa o Nightwish lança no ano seguinte o disco “Dark Passion Play”. Uma boa vocalista para um, apenas, bom disco.

Já sabíamos ali que a sueca Olzon havia entrado numa fria. Substituir Tarja Turunem parecia mais difícil do que o pensado, principalmente quando Anette cantava as músicas da “era Tarja” nos shows.

A banda se manteve firme com Anette Olzon à frente e em 2011 lançou o realmente bom “Imaginaerum”. O single Storytime é um tanto viciante.

Bom, a situação continuava difícil apesar da boa receptividade do álbum e também dos shows e quando a parceria entre Nightwish e Anette tomava forma ela se desfez.

Ao final de setembro desse ano em comum acordo com sua frontwoman, o grupo publicou um comunicado dizendo que a parceria havia acabado.

Como dizia um trecho do comunicado: “Nos últimos tempos, tornou-se cada vez mais óbvio que a direção e as necessidades da banda e da vocalista estavam em conflito, e isso levou a uma divisão da qual a banda não pode se recuperar.”

Diferente de como foi com Tarja, quando houveram ofensas, muitas coisas que talvez nunca iremos saber, dessa vez o Nightwish deixou as coisas mais claras.

O que surpreendeu foi o fato da banda estar ainda em turnê (que passa pelo Brasil em dezembro). Isso nos leva a crer que as diferenças entre eles não poderiam ser suportadas até o final dos shows.

Não demorou muito e o Nightwish já anunciou sua substituta: Floor Jansen, ex-After Forever. Digamos que a missão de Floor seja “grata”. Se fosse para ter substituído, ainda que provisoriamente, Tarja, não seria.

Uma ótima vocalista, a mais próxima da “era de ouro” do Nightwish. Certo que Floor estará navegando em águas mais calmas. Muitos acham que ela é a vocalista do Nightwish em definitivo e não, não é.

O tecladista e líder da banda, Tuomas Holopainen, já disse não irá pensar e agir sobre isso antes de 2014. Até lá o posto será de Floor Jansen. Dificilmente nesse período haverá lançamento de um álbum da banda.

As coisas parecem ter se encaixado no Nightwish. Até um vídeo com a nova vocalista foi publicado na internet. Depois de anos de turbulência e desconfiança, Tuomas e Cia. acertaram, pelo menos por enquanto.

Minha Opinião? O Nightwish deveria aproveitar esse período de tranquilidade para se reestabelecer, parar se acalmar, para se acertar. Chegou a hora, não de reviver os tempos de glória, mas sim de criar um novo tempo de glória.

Floor se demonstra muito à vontade nos vocais do Nightwish, está dando conta do recado com maestria e (mais uma vez) na minha opinião, deveria ser “promovida” a membro da banda definitivamente.

As coisas mudam, as pessoas mudam, as bandas mudam. Aos que ainda não digeriram a saída de Tarja Tururem peço que pensem nisso. Tarja tem uma sólida (e boa) carreira solo e felizes de nós que agora temos duas opções para escutar.

Texto escrito pelo colunista Marcelo Coleto
Publicitário por vocação, jornalista por paixão. Ou ao contrário. Acha que quase tudo é uma forma de arte e se expressa melhor escrevendo do que falando. Editor do Rock Noize, colaborador da Galeria do Rock, do Mistura Urbana e do Slipknot Brasil.


Rock’n’Roll Feminino

O que não falta  são ótimas bandas de rock’n’roll com mulheres no vocal ou tocando bateria, baixo e guitarra.

Pra quem acompanha nossa fan page Mulheres Roqueiras, já pode ver por lá  uma série de bandas como segue na lista abaixo. Você tem sugestões de outras bandas cujo toda a sua formação ou o vocal seja mulher, fala pra gente!

O que não falta por lá é qualquer tipo de assunto sobre metal! \m/

  • The Agonist
  • My Ruin
  • Shadowside
  • Girlie Hell
  • We Are the Fallen
  • Kittie
  • Mandrakke
  • Asrai
  • We Ride
  • Bloodlined Calligraphy
  • Guano Apes
  • 69  Chambers
  • The Distillers
  • Rita Lee
  • Pitty
  • Madame Saatan
  • Scarlet  Sins
  • No Doubt
  • Flyleaf
  • Paramore
  • Katastrophy Wife
  • Betty Blowtorch
  • 7 Year Bitch
  • Lunachicks
  • The Donnas
  • Leave’s Eyes
  • After Forever
  • Autumn
  • Delain
  • Xandria
  • Lacuna Coil
  • Within Temptation
  • Tristania
  • Bikini kill
  • Silent Cry
  • The Iron Maidens
  • Katra
  • Sister Sin
  • Eths
  • Straight Line Stitch
  • L7
  • In This Moment
  • Lee Aaron
  •  Epica
  • Tarja
  • Drain S.T.H
  • Die So Fluid
  • Evanescence
  • Lennon Murphy
  • Lunatica
  • Walls of Jericho
  • Nervosa
  • Arch Enemy
  • Otep
  • Alanis Morissette
  • Hole
  • Janis Joplin
  • Joan Jett
  • Melissa Auf der Maur
  • The Creepshow
  • The Runaways
  • Heart
  • Wanda Lavonne
  • Sirena
  • Cherri Bomb
  • Siouxsie
  • Girlschool
  • Theatre of Tragedy
  • Crucified Barbara
  • Doro
  • The Bangles
  • Debbie
  • Babes in Toyland

@patitagil


Estilo Roqueira – Cristina Scabbia

Sabemos o quanto é difícil comprar e encontrar roupas e acessórios aqui no Brasil identificando o estilo roqueira de ser.. porém temos muitas divas do rock’n’roll para nos inspirarmos, hoje falaremos um pouco do estilo de Cristina Scabbia, vocalista do “Lacuna Coil”. Os homens deliram e as mulheres também.

Cabelo preto, sombra e unhas escuras e batom nude são sua marca registrada. Suas roupas um tanto quanto sensuais e estilosas como jaquetas pretas e vermelhas de couro, estampas xadrez, rendas,  coturnos, fogem um pouco do estilo gótico convencional, mas o que não impossibilita de agradar os seus fãs de plantão ou simples admiradores.

Confiram alguns modelitos que separamos e contem pra gente o que acharam? E qual é a diva do rock que te inspira?

Para ver as imagens ampliadas é só clicar em cada uma delas. 

 
 

@patitagil
 

 


Lacuna Coil fez show surpreendente em São Paulo

Texto escrito exclusivamente para o Leitura Musical.

O Lacuna Coil realizou no dia 31/03/12 um show surpreendente em São Paulo. O show aconteceu em A Seringueira, e foi devido a comemoração de 20 anos da Liberation MC que no mesmo dia contou com as bandas Hatebreed e Lamb of God, uma  noite totalmente recheada para todos os gostos de metal.

Após uma espera de quase 3h até o início dos shows, finalmente Lacuna Coil sobe ao palco, foi a primeira banda a se apresentar, e porque foi surpreendente?

Apesar de terem tocado no mesmo dia que Hatebreed e Lamb of God o que demandava um maior número de pessoas que curtem o estilo hardcore e groove metal, Cristina com seu enorme carisma e energia conseguiu fazer a galera vibrar, cantar e  pular.

Além de músicas do seu mais recente trabalho “Dark Adrenaline” lançado em janeiro, a banda tocou alguns sucessos que levantaram a galera como SwanpedHeaven’s a Lie e Sensafine, esta última em italiano. Cristina Scabbia estava com seu vocal totalmente afinado e forte. Um dos momentos ápice do show foi quando ela assumiu uma parte da bateria no final de uma das músicas que tocaram.

Querem conferir como foi o show? Assista um trecho de Swanped no vídeo abaixo.

@patitagil


A história do Rock’n’roll

Já parou pra pensar qual é a origem deste estilo que nos fascina?

Aposto que a primeira coisa que te vem a mente quando lê a palavra rock’n’roll é a imagem de uma guitarra, bateria ou de integrantes geralmente com cabelos longos e roupas cheias de atitude.

O rock’n’roll precisamente originou-se a partir da década de 1950 nos Estados Unidos, que evoluiu com o blues, da música country (acredite) e do rhythm and blues, entre  muitas outras influências como jazz, folk e música clássica. Como tudo o que é novo tende a ser criticado, com o rock não foi diferente,  seu estilo recebeu muitas críticas a maioria negativas, a principal crítica é que o rock’n’roll apoiava o satanismo. Transformando-se em uma grande revolução sonora para os jovens  que na época  sofriam disputas entre o capitalismo e comunismo. Quem curtia o novo estilo, era automaticamente rotulado como rebeldes sem causa. Suas letras cativas para a realidade traziam exatamente aquilo que a juventude da época precisava escutar, assuntos como: férias, escola, relacionamento com os pais, carros e  amor.

Em meados de 1970 apareceram mais influências como soul music e funk (não como os que escutamos hoje em dia), abordando assuntos políticos, protestos, rebeliões, uso de drogas e sexo. Cantores como Janis Joplin, Jim Morrison e Jimi Hendrix, grandes cantores que tiveram um grande papel no rock’n’roll nessa época e que tiveram sua passagem no rock interrompida devido o uso excessivo de drogas. A partir dai o rock gerou uma série de subgêneros, como os que conhecemos atualmente que são: soft rock, heavy metal, hard rock, punk rock, progressive rock, glam rock, punk rock e nos anos 80 surgiram o new wave, punk hardcore e rock alternativo, porém as origens não param e a cada década surgem novos gêneros, que finalmente chegamos em 1990, com a origem dos subgêneros: grunge, gothic metal, indie rock e nu metal.

Já no início da década de 2000, quando muitos achavam que o rock’n’roll havia morrido, que era impossível imaginarmos transformações e novidades, pois o pop estava na moda, e algumas bandas surgiram como produtos da mídia como: “The Strokes”  “Fanz Ferdinand” ou “Arctic Monkeys”,  outras bandas surgiram distante da comercialização da mídia que foram: The Queens of Stone Age e The Mars Volta,  e novos estilos não pararam de surgir como: garage rock revival, dance-punk, love metal e  stoner rock.

O que podemos dizer, é que rock, sempre será rock. É um ritmo eterno, novidades sempre existirão, mas sabemos que sempre haverá bandas que manterão fielmente a grande essência do rock, aquela que nos fascina diariamente, que faz com que a gente vibre, pule, cante alto, que faça disparar coração, que nos faça tocar guitarras e baterias imaginárias, que através de suas letras nos tragam paz, ou até nos faça sentir compreendidos em algumas situações que enfrentamos em nossas vidas.

Rock sempre será emoção pra alma. Só quem ama este estilo, é que entende perfeitamente qual é este sentimento.

@patitagil


%d blogueiros gostam disto: